Foto: Divulgação/Concacaf

Treinador com passagens por Mesquita e Barra da Tijuca no Rio de Janeiro, Márcio Máximo tem uma longa caminhada no futebol, ele treinou as seleções da Tanzânia e da Guiana, além de treinar as categorias de base do Catar e da Seleção Brasileira.

Márcio atualmente está sem clube, mas tem muita história para nos contar, afinal, conhece esse planeta bola como poucos.

Márcio nos conta sobre a experiência de trabalhar em vários países e o quanto isso foi benéfico em sua carreira.

“Foram experiências importantes, porque nos dá a possibilidade de confrontar com vários treinadores internacionais de diferentes escolas, além de trabalhar com jogadores internacionais de diversos níveis. Hoje na globalização que passamos no Brasil ter essa experiência nos valoriza.”

Um ponto tratado no nosso bate papo foi sobre os países que investem pouco no futebol, Márcio nos conta como é trabalhar nestes locais e como trabalhar o desenvolvimento dos atletas.

“Não existe o desenvolvimento sem a utilização e projeção dos atletas locais, se não vira um clube ou seleção de aluguel, sem legado algum. Por isso o treinador precisa estar atento a toda a estrutura para poder ter bons resultados.”

Márcio além de treinar as seleções da Tanzânia e da Guiana, ele trabalhou no futebol da Arábia, Alemanha e na Escócia, culturas opostas à do Brasil, Márcio nos conta o local mais inusitado que já trabalhou.

“Acredito que seja a Tanzânia pela diversidade. País de maioria muçulmana na África e com um potencial muito grande para se desenvolver, além da paixão do povo pelo futebol. É um país de vários contrastes geográficos e culturais.”

O último trabalho do treinador foi pela seleção da Guiana, Márcio nos conta sobre seus projetos e suas ambições na sequência de sua carreira.

“Sempre pensamos em retornar ao Brasil e usar nossa experiência. Devido os problemas estruturais dos clubes nacionais, esse projeto sempre é adiado. Temos um perfil de utilizarmos jogadores da base e devido a situação financeira dos clubes, possa ser mais viável nossa contratação. A forte vinda de jogadores internacionais também pode facilitar, já que temos a experiência e o hábito de trabalhar com eles.”

Em breve poderemos ter o trabalho de Márcio Máximo em alguma equipe do futebol nacional, experiência não falta para o treinador que conheceu os quatro cantos do planeta para trabalhar com o futebol.

Texto de Caio Bezerra

Matéria publicada em 27/08/2021 às 11:25

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.