Foto: Gabriel Farias

O clima esquentou entre dois jogadores do Gonçalense Futebol Clube e do Nova Iguaçu durante a semifinal da Taça Santos Dumont, realizada na quarta-feira (21), no Estádio Laranjão. Lucas Marreta (Gonçalense) e Abuda (Nova Iguaçu) foram os protagonistas das trocas de empurrões que geraram a expulsão do atleta Gonçalense.

A direção da equipe se manifestou no instagram do time e ressaltou os acontecimentos lamentáveis que ocorreram antes e ao longo do jogo, além da péssima arbitragem conduzida por José Waldson de Matos Modesto, que expulsou apenas um dos atletas e não marcou um pênalti a favor da equipe de São Gonçalo. Após a declaração do treinador do Nova Iguaçu, Hermes Junior, causar revolta ao afirmar que não houve erro pela arbitragem e que a equipe foi totalmente imparcial, o técnico Emanoel Sacramento Filho, ao procurar o Cariocado, frisou que a direção e os jogadores do Gonçalense não querem desmerecer o desempenho do Nova Iguaçu, mas que reclamações pelas más atuações dos árbitros são sempre válidas. “Ele se equivocou, o que é uma pena, o jogo estava bem disputado e equilibrado, mas, após a expulsão, diminuiu o poder de luta de uma das equipes”, destacou. 

O Gonçalense volta a campo, na próxima quarta-feira (28), para enfrentar o Sampaio Corrêa, no Alzirão, pela abertura da Taça Corcovado, segundo turno do Carioca B1. 


Texto de Júlia Marques

Matéria publicada em 25 de Outubro de 2020, ás 08:21.

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.