Foto: Vitor Melo/Nova Iguaçu Futebol Clube

Neste sábado (12), aconteceu o jogo de ida da final da Série B1, entre Nova Iguaçu e Sampaio Corrêa, no Lourival Almeida, em Saquarema. Foi um jogo bem equilibrado e cheio de gols, com muitas reviravoltas.

Os donos da casa começaram o jogo tentando pressionar o Nova Iguaçu. Em chute da entrada da pequena área, a bola bateu na rede pelo lado de fora. Em seguida, dois chutes perigosos de fora da área. Do outro lado, Hermes Júnior armou um time num 4-4-2 de retranca e a Laranja passou a fazer neste jogo o que sempre fez durante toda a Série B1 (exceto no jogo de volta contra o Duque de Caxias): jogar no erro do adversário. Luã Lúcio foi escalado pela segunda vez seguida entre os titulares. Aos 10 minutos, a primeira boa chance da Laranja. No minuto seguinte, Charles Chad mais uma vez voltou a falhar nas finalizações: ele tropeçou na bola, que foi tranquila, tranquila para as mãos do goleiro Ranule. 

A partir dos 14 minutos, o Sampaio passou a levar perigo para a meta de Luis Henrique. Primeiramente, com Araruama, depois com PV aos 16 e aos 21, com Bersan. Vale lembrar que Emerson Carioca estava suspenso por ter sido expulso no jogo contra o Maricá (onde ele simplesmente ficou peladão pra provocar o Tsunami) e isso refletiu nas chances perdidas do Sampaio. 

Aos 23 minutos, o experiente camisa 9 Charles Chad obrigou Ranule a fazer uma boa defesa. Neste momento, os visitantes começaram a tomar conta da partida,mas a defesa se mostrava sólida. Aos 24 minutos, o Nova Iguaçu teve mais uma boa chance, mas que deu uma falta, assinalada pelo árbitro e jornalista Fábio Peixoto. 

Aos 27 minutos, uma outra falta acabou dando origem ao primeiro gol do Nova Iguaçu. Após jogada ensaiada iniciada por Gustavo, o lateral Digão cobrou, a bola bateu em Bersan e no rebote, ele mandou de primeira uma pancada de fora da área, sem chance para Ranule. Nova Iguaçu 1 a 0. 

Logo após o primeiro gol do time da Baixada, a chuva começou a cair forte em Saquarema. E isso acabou tornando o jogo um pouco mais perigoso, com algumas faltas e claro, alguns jogadores se desgastando. Araruama sentiu sozinho e saiu para a entrada de Wedison, que colocou fogo no jogo no segundo tempo. 

Aos 40 minutos, Charles Chad teve mais um momento infeliz. Após passe de Anderson Künzel, o camisa 9 chutou e a bola não entrou (bateu em Ranule). Porém, Chad estava impedido. Aos 43 e 44 minutos, o Nova Iguaçu por pouco não ampliou o marcador. Primeiro numa bobeada da defesa do Sampaio. E logo depois, em cobrança de escanteio. E a Laranja ainda perderia Luã Lúcio no final do 1º tempo. Ele havia levado amarelo e foi expulso. E assim, o Nova Iguaçu foi pro intervalo com a vantagem no placar.

Mas se o primeiro tempo foi morno, o segundo foi cheio de emoções e reviravoltas, um verdadeiro teste pra cardíaco.

O fato de ter um homem a menos não intimidou o Nova Iguaçu. No intervalo, Hermes Júnior tirou Charles Chad e colocou Ewerton, o que deu ao time iguaçuano mais retranca. 

Aos 5 minutos, um pênalti polêmico. Na tentativa de cruzamento de Bersan, do Sampaio, a bola teria batido no braço do zagueiro Raphael Neuhaus, do Nova Iguaçu. Apesar das reclamações, o árbitro Fábio Peixoto assinalou o pênalti. Alexsandro converteu e empatou pro Galinho da Serra. Samapio 1 a 1 Nova Iguaçu.

A Laranja não se intimidou: aos 9 minutos, outra chance pro Nova: Após cobrança de escanteio, Digão cabeceou. Gustavo aproveitou o desvio, mas mandou pra fora. O camisa 2 da Laranja acabou sendo mais feliz em outra cobrança de escanteio. Aos 13, após escanteio curto e jogada ensaiada, Digão mandou uma outra paulada da entrada da área e Ranule não pode fazer nada. Nova Iguaçu 2 a 1. A partir daí, o time da Baixada Fluminense amarrou o jogo e tentou jogar com o relógio. E o time de Saquarema tinha dificuldades para criar oportunidades perigosas.

Aos 16, mais um lance polêmico: Alexsandro, do Sampaio, foi empurrado, mas o árbitro-repórter Fábio Peixoto não assinalou nada. Mandou seguir. Aos 20 e 22, Wendson deu um susto à defesa do Nova Iguaçu. Já aos 23, Digão foi derrubado. Ele viria a ser atingido na cabeça aos 27 minutos e foi substituído por Leonardo.

Nos 15 minutos finais, o Nova Iguaçu mostrava sinais de cansaço, e o Sampaio aproveitava. Aos 30, um cruzamento passa por toda a área e passa rente à trave. E de tanto insistir, o Sampaio empatou aos 31 minutos. Após confusão na área, Alexsandro escorou e Luis Henrique falhou. O jogo estava empatado de novo. 2 a 2.

O jogo passou a ser mais elétrico, afinal de contas, ambos os times estavam desesperados pra desempatar e o Nova Iguaçu, com um a menos, levava vários sustos. Mas também tinha alguns lances bonitos. Aos 38 minutos, Leonardo, que entrou no lugar de Digão, fez triangulação com Kunzel e após receber de Vinícius, fez um carnaval na defesa do Sampaio e tocou no cantinho direito de Ranule. A Laranja desempatou de novo. 3 a 2. Dois minutos depois, o Nova Iguaçu quase marcou o quarto. Após contra - ataque, Kunzel partiu com velocidade e só foi parado por Ranule, que tirou com o pé. 

Aos 44, uma bela jogada do Nova: Ewerton fez fila, mas não foi feliz na finalização. E nos acréscimos, praticamente no último minuto da partida, o balde de água fria. Felipe Fumaça em cobrança de falta bateu alto e Roberto Júnior de cabeça marcou o gol de empate e que deixou pra semana que vem a grande decisão. 

O duelo teve cara de final. Disputado até o último apito, não houve problemas com a arbitragem, diferentemente do que ocorreu no conturbado jogo entre Nova Iguaçu e Duque de Caxias. No fim, restou aos dois clubes e a quem acompanhou o jogo a sensação de uma partida disputada e emocionante. 

O jogo de volta acontece sábado que vem, no Jânio Moraes. O Nova Iguaçu precisa vencer por qualquer placar, nem que seja uma vitória simples para ser tricampeão da segunda divisão, Mesma coisa para o Sampaio, que quer ser campeão da Segundona pela primeira vez. Empate leva a decisão para os pênaltis.

Texto de Luiz Nascimento e Hugo Lage

Matéria publicada em 13/12/2020, às 19:47

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.