Foto: Léo Borges / Na Jogada

Neste domingo, se enfrentaram, pelo Grupo B14 da Série D, Cabofriense e São Luiz-RS. Confronto de ida da segunda fase. O jogo foi bem equilibrado, apesar da falha da defesa do Tricolor Praiano logo no começo da partida. A Cabofriense marcou numa bola parada, após cobrança de escanteio. O jogo de volta será domingo que vem, em Ijuí, noroeste do Rio Grande do Sul. Não há vantagem. Em caso de novo empate, cobrança de pênaltis. 

O jogo começou com uma bobeada da defesa da Cabofriense. Aos 3 minutos, Hugo aproveitou um vacilo da zaga e estufou direto pra rede, abrindo o marcador no Correão. Logo depois, a Cabofriense reagiu, mas aí brilhou a estrela do goleiro Roballo, do São Luiz. 

Aos 5 minutos, Feitosa cabeceou, mas Roballo defendeu. Aos 11, de novo o Tricolor Praiano levou perigo, só que desta vez, com Jackinha. O cruzamento tinha endereço, mas Roballo afastou a bola com um soco. 

Aos 22, foi a vez de Natan levar perigo. Após cruzamento de Marcelo, ele mandou um balaço, mas de novo, Rafael Roballo salvou a pátria. 

Aos 25, de novo a Cabofriense levou perigo, mas com Gama, que depois de receber um passe, mandou pro gol, mas lá estava Roballo para salvar de novo. 

Aos 32, mais uma chance para a Cabofriense: Thiago Ryan cruzou para Coutinho, que cabeceou, Roballo defendeu, Jackinha furou, o mesmo Coutinho aproveitou, mas mandou de voleio pra fora. E no último terço do primeiro tempo, só deu Cabofriense. Aos 37, 38 e 40 minutos, três chances claras de gol do lado do Tricolor Praiano. 

Aos 42, Feitosa acabou falhando feio na finalização. E assim foi o primeiro tempo: domínio completo da Cabofriense, mas com uma falha boba no começo da partida.

A etapa final começou bem equilibrada, diferente da primeira etapa. Aos 10 minutos, o São Luiz teve uma boa chance de gol com Matheus Lagoa, que driblou a defesa do time carioca, e chutou firme, mas o goleiro George, seguro, acabou segurando. 

Aos 11 minutos, a Cabofriense empatou. Após cobrança de escanteio, Feitosa marcou de cabeça. Era o gol de empate do Tricolor Praiano. Mas isso não era o suficiente. Depois do gol de empate, os dois times passaram a desacelerar, mas a Cabofriense teve as melhores chances. Quatro minutos depois do empate, mais uma jogada de perigo (e de talento): Jackinha cruzou de letra, mas Gama mandou a bola pra fora. E apesar das mexidas nos dois times, o jogo ficou mais lento, especialmente na virada do segundo para o último terço do segundo tempo. Mas a partir dos 38 minutos, a Cabofriense voltou à carga em busca da virada. Primeiro com Thiago Ryan, que aproveitou um cruzamento, mas parou nas mãos de Rafael Roballo. 

Aos 42, mais uma boa chance para o Tricolor Praiano: Douglas Cunha, que entrou no segundo tempo, fez uma assistência. A bola tinha Vander como destino, mas ela foi mais rápida. Vander voltou a brilhar aos 45. Ele chutou em direção ao gol. A bola tinha o destino certinho, mas de novo, Rafael Roballo, em tarde inspiradíssima, defendeu. 

Aos 48, mais uma chance da Cabofriense. Coutinho mandou de primeira, mas eis que Roballo apareceu de novo, para agarrar firme. E praticamente no apagar das luzes, aos 50 minutos, Lucas, do São Luiz, levou perigo à meta de George. Após cruzamento de Jonathan, o camisa 15 mandou um balaço em direção à meta, mas George defendeu. Logo depois, em cobrança de escanteio, a zaga da Cabofriense acabou tirando.

Os dois times voltam a se enfrentar domingo que vem, no Rio Grande do Sul. Não há vantagem. Em caso de empate, teremos disputa de pênaltis. O vencedor vai enfrentar o vencedor de Tupynambás-MG e Aparecidense-GO, que hoje, em jogo válido pelo Grupo B6, empataram em 1 a 1.


Texto de Luiz Nascimento 

Matéria publicada em 07/12/2020, às 08:20

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.