Foto: Divulgação FERJ

Com novidades nas transmissões e um regulamento mais simples, o Carioca vai tomando um rumo diferente dos últimos anos.

O Campeonato Carioca por muito tempo foi alvo de críticas por seu regulamento e condutas da Federação, entretanto, ao que parece, essa edição vai de contramão a tudo o que vimos nas últimas temporadas pelas mudanças do regulamento e novidade nas transmissões.

No ano passado, o estadual encerrou repleto de polêmicas, com brigas entre clubes e federação, rompimento da Globo e dúvidas sobre o que esperar de uma competição com tantos problemas para a sua próxima edição, e ao que aparenta, a FERJ vai acertando em suas decisões e pode ser observado por outras federações como uma forma de modelo nas vendas de seus direitos de transmissão.

As novidades nas transmissões do campeonato é uma informação que todos já sabem, mas a importância dessa mudança pode ser algo que não vem sendo muito questionado, pois há um longo tempo o Carioca era transmitido apenas pela Globo detendo todos os direitos de todas as plataformas (TV aberta, PPV, Streaming), mas com a "MP do Bolsonaro", a edição passada foi marcada pelo rompimento da emissora com a Federação Carioca e brigas entre clubes sobre o ocorrido, chegando a ter a final transmitida pelo SBT, o que fez as emissoras se interessarem na transmissão do Carioca, já no final de 2020 começou a intensificar a briga entre SBT, Record e Globo para saber quem transmitiria os jogos, chegando a ter o SBT como o grande favorito, mas faltando poucos dias os clubes se movimentam para fechar com a Record detendo os direitos apenas da TV aberta, por 11 milhões em 2021 e 15 milhões em 2022, a Claro, Vivo e Sky com os PPV's em parceria com os clubes e uma receita completar com a transmissão de streaming da FERJ, um modelo extremamente inovador e pode vir a se tornar modelo para os demais estaduais, e até para o futebol nacional.

A Rede Globo de Televisão ofereceu uma proposta de 45 milhões pelos direitos de todas as plataformas e nos últimos dias chegou a aumentar sua proposta por 50 milhões, mas foi recusada pelos clubes.

Por enquanto, os clubes que assinaram os acordos com a Record são: Flamengo, Botafogo, Boavista, Bangu, Madureira, Volta Redonda, Friburguense, Resende, Portuguesa, Americano e Sampaio Corrêa.

Será que agora o estadual mais charmoso do Brasil voltará a ser um campeonato atrativo com essas mudanças?

Texto de João Victor

Matéria publicada em 15/02/2021 às 14:15

Comentários
* O e-mail não será publicado no site.